Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





-> (parte VI)

por Mary P., em 27.04.15

Se existir o título de pior blogger esse título é meu! É que desta vez o meu silêncio deveu-se pura e simplesmente à falta de vontade em escrever aqui. Inércia. É definitivamente a palavra-chave.

Mas o bichinho voltou porque este fim-de-semana tive a sorte de poder conhecer novas pessoas. Novas formas de viver a vida. E que partilham comigo um sentimento: o-amor-aos-caminhos-de-santiago. Partilhei com alguns as minhas, nossas histórias de quatro anos de caminho e lembrei-me que como pior-blogger-de-sempre-que-sou ainda não acabei o meu relato sobre os Caminhos de Santiago, nomeadamente a minha viagem do ano passado. 

E com alguma nostalgia, bastante saudade e com um sorriso de orelha-a-orelha aqui vai o relato do dia que partimos de Redondela rumo a Pontevedra.

Tivemos o prazer de contar com a Maga mais uma vez. Saímos por volta das 6h/6h30. A memória mais viva que tenho deste dia é que CHOVIA A CÂNTAROS. E estamos a falar de Verão em pleno Agosto. Mas trata-se da Galicia. Já todos sabemos para o que vamos!

O caminho faz-se bastante bem! Poucas subidas, poucas descidas. Acho que é nesta etapa que ainda no início da etapa que tem uma rua com uma ligeira inclinação. Mas é possível parar a meio e do lado direito tem um fontanário com água bem fresquinha! Acho também que é nesta etapa que há cinco anos eu e a outra Maria Inês apanhámos um susto de morte quando ainda de madrugada com a luz do luar nos cruzámos com o senhor idoso de pedra que está sentado pacientemente às portas do cemitério. Quase que morríamos!

Continuou a chover a cântaros. Mesmo antes de chegarmos em Pontesampayo decidimos entrar num café com muito bom ar que tinha acabado de abrir àquelas horas da madrugada. Tomámos el desayuno e exercemos tentativas de secagem com o secador das mãos da casa-de-banho. Tivemos a oportunidade de desayunar com a Francesca - uma italiana quarentona, super fit, que faz dos Caminhos de Santiago a sua vida. A Francesca e a sua história de vida são incríveis. Fez todas as etapas sozinha, porque assim o queria. Mas quando nos encontrávamos nos albegues - era sempre uma das primeiras a chegar - a animação estava garantida!

IMG_1806.JPG

 

(esta fotografia não tem efeitos. estava, estávamos ensopadíssimas.)

Aliviadas e com mais energia seguimos até Pontesampayo, um dos meus sítios preferidos.

Aqui ainda sem atravessar a ponte já sentíamos o cheiro a pão com chouriço da chaminé da padaria imediatamente a seguir à ponte, mas como tínhamos acabado de comer deixámos a gulodice e curtimos as ruas e ruelas de Pontesampayo, a aldeia grega semeada na Galicia.

IMG_1808.JPG

 

(aqui com a Maga a cruzar a ponte)

Neste dia a Sophie e a Sarocas ligaram o turbo e seguiram sempre. Eu fiquei para trás com a Maga deliciada a ouvir as histórias dela no seu hospital em Madrid. Encontrámo-nos as quatro já na periferia de Pontevedra e fomos, como malucas, a cantar e assim chegámos ao Albergue, onde todos os anos perco/esqueço-me de uma coisa que trago comigo.

Quando chegámos já lá estavam o Titi, o Blogger, as espanholas, o Sergi e a Francesca. Mais uma novidade neste ano! Com a chuva que caía não era possível esticar o lombo à porta do albergue enquanto os antipáticos voluntários não abriam as portas. Deixámos antes as mochilas na fila e fomos para a esplanada do primeiro café em frente tomar café e javardar mais um bocadinho. E a festa que foi quando vimos o David e o Gabriel a chegarem! 

Calámo-nos quando nos deparámos com este quadro:

 (tristemente não estou a conseguir colocar a fotografia - já tentei mil e uma maneiras, só me falta fazer o pino com a mão esquerda. Recorrerei, portanto, às palavras para descrever o momento: Pai e filho - menos de seis anos. O pai levava o filho num carrinho do tipo carrinho de compras, só que quitado. Pai e filho a fazerem o Caminho. Cada um à sua maneira. O pai demonstrando a sua força e garra. O filho a ser paciente e a portar-se lindamente aguentando muito bem todos os solavancos a que estava sujeito. Infelizmente só nos voltamos a cruzar em Santiago e foi muito ao de longe. Só deu mesmo para esticar a mão e dizer adeus)

Depois de termos entrado e de nos termos apercebido que os alberguistas mais antipáticos de todo o Caminho continuam em Pontevedra fomos tomar banho. Acabámos por almoçar no café em frente. Escolhemos o menu de peregrino. Não era nada de especial. Regressámos à base e já não me lembro muito bem como nem porquê combinámos um jantar napolitano com os nossos queridos Valentina&Salvatore. O plano era o seguinte:

Valentina&Salvatore -> fazer a lista de ingredientes e cozinhar

Mary, Sophie e Sarocs -> comprar ingredientes e coordenar a equipa de lavagem de loiça

David&Gabriel -> lavar a louça

Entretanto, cruzámo-nos com o David que estava cheio de estilo, que tão bem lhe fica, a demolhar os pés numa argila toda xpto oriunda do Rio Nilo. Neste albergue, apesar dos voluntários serem uns ranhosos do pior - faço mesmo questão de repetir isto, porque há quatro anos que eles estão sempre com cara de frete e que em tempos fizeram com que pedíssemos o livrinho e mais! o homem deitou ao lixo uma das minhas tshirts favoritas do Caminho, uns calções, umas cuecas e um soutien! - o português completamente apanhado do clima que faz reiki e trata dos pés é um amor e é impossível não nos rirmos com ele. No final da noite fiquei eu e o David a falar com ele e tendo sido avisada mais que uma vez que seria degulada se me voltasse a rir tão alto mais uma vez, visto que já estavam todos a dormir. Mas com aqueles dois era impossível!

Comprados os ingredientes - Pontevedra está muito bem servida neste ponto! O Albergue fica mais ou menos a 10 minutos no centro. Tem supermercados, tem farmácias e tem uma Caixa Geral de Depósitos. É obrigatório ir à igreja com forma de vieira que fica mesmo no centro. E à frente do Burger King.

Estava na hora da janta. Aprendam:

IMG_1827.JPG

 

É UM CRIME PARTIR O ESPARGUETE NA HORA DE O PÔR NA ÁGUA A FERVER!

OREGÃOS VÃO SUPER BEM COM MOLHO DE TOMATE!

Ó pra nós aqui todos felizes e contentes:

IMG_1829.JPG

 Depois de coordenar os rapazes e de ter tratado dos pés das minhas meninas, do Gabriel e do David foi como vos escrevi: toda a gente foi dormir e eu e o David ficámos a rir com o maluco do português!

Antes disso, mas muito importante: Foi aqui que estabelecemos contacto pela primeira vez com o Titi! Um taiundês - não sei se é assim que se escreve, mas ele é de Taiwan. Logo aqui ele provou não resistir ao nosso charme ofereceu a cada uma de nós um postal com uma fotografia de peixes e porcelanas e escreveu o nosso nome na sua língua. Mas tem mais piada falar sobre ele na próxima etapa.

E assim fica o mistério! Não percam o próximo episódio, porque eu também não!

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D